17 de março de 2012

As noites de chuva e as manhãs cincentas trazem-te de novo até aqui. Trazem de novo o amor partilhado em horas frias, e em noites de pouco calor. Trazem o aconchego que nos envolve um no outro, e guardam-nos dentro delas. Seremos sempre o amor que chama pela noite e o bom dia pela luz do sol. E eu quero-nos guardar sempre aqui. Onde mais ninguém pode chegar e tocar, nisto que é o amor em dois corações que se tocam onde mais ninguém chega..Quero-nos guardar para sempre. Os risos com calor, os actos tão pouco irreflectidos a que damos vida, os passeios de mão dada onde ninguém anda, a alta velocidade a que nos prometemos sempre na mesma estrada, à mesma hora e no mesmo dia da semana. O cadeado e a chave deitada ao rio, os livros em que nos descobrimos e as músicas onde nos encontramos. Porque é sempre assim, e não o poderia deixar de ser. Como uma música que toca sempre a mesma melodia na mesma casa, e quando pára de tocar sente-se. Nota-se a diferença, a ausência. E nós não somos assim, porque nunca deixamos ser o modo play para ser o pausa..Estamos sempre a tocar, vezes e vezes repetidas, sem nos cansarmos de ouvir o mesmo, até sabermos de cor, a letra do amor. E tudo isto é guardado, embora penses que não. Até os momentos em silêncio o são porque dizem tanto e ao mesmo tempo tão pouco, que não poderiam deixar de não o ser. Guardaremos sempre tudo aqui, para que nunca se perca em lugar algum ou vá  parar às mãos de outro alguém. Aqui..onde nos tocamos sempre sem parar ou cansar e onde tudo é guardado para nunca se perder, três metros acima do céu.

18 comentários:

  1. há coisas que vão ficar sempre guardadas..sempre.

    ResponderEliminar
  2. já há algum tempo que não passava por aqui e olha continuas encantadora. tu e a tua escrita

    ResponderEliminar
  3. que o vosso amor seja sempre assim!

    ResponderEliminar
  4. se eu me for embora, continuarei a ler-te

    ResponderEliminar
  5. oh claire deixas-me sempre sem palavras. és tão de amor

    ResponderEliminar
  6. muito obrigada, claire.
    as coisas boas ficam sempre guardadas no coração, sempre...
    E, isto está cheio de amor e de alma, como só tu sabes pôr.

    ResponderEliminar
  7. Tenho andado tão ausente disto mas continuas a escrever lindamente e este texto é mais uma prova disso :)

    ResponderEliminar
  8. "E nós não somos assim, porque nunca deixamos ser o modo play para ser o pausa..Estamos sempre a tocar, vezes e vezes repetidas, sem nos cansarmos de ouvir o mesmo, até sabermos de cor, a letra do amor." que belo

    ResponderEliminar
  9. não tens de quê doce. e então gostaste?:)

    ResponderEliminar
  10. gostei tanto deste texto, não imaginas! está completamente lindo, tocou-me mesmo :))

    ResponderEliminar
  11. gosto do texto, e não ouvia fitzsimmons há muito tempo, adoro.

    ResponderEliminar