28 de março de 2012


Não esperes por mim mesmo que eu te diga que quero encontrar-me contigo na esplanada de sempre. Não esperes por mim, porque não te faz bem esperar por quem não tem bem certezas de ir. É, eu posso sair de casa para te ver, e ainda antes de chegar ao pé de ti arrepender-me, e voltar para trás. Porque tenho medo e faltam-me as forças para te ver. Por isso não esperes por mim. Encontrar-te assim com marcação ainda é demais para mim. Entende, que há coisas que se constroem aos poucos, e que o que nós destruimos e agora está em obras de reconstrução é bastante de nós e ainda leva o seu tempo a reconstruir. Por isso não esperes por mim quando sentires que eu não vou. Eu sou sempre aquela certeza ainda inconstante que tu já conheceste. E eu também não quero que voltes a esperar tanto de mim porque não te quero magoar. Mesmo que não faça nada, acho que este simples gesto de não fazer nada te magoa porque tu queres sempre que faça alguma coisa, por ti. Mas eu já não o posso nem o sei fazer, desculpa-me. E isto entristece-me. E eu fico assim, sem saber mais o que te posso dizer ou fazer. Já te dei tanto de mim que me percebes mesmo sem eu te dizer aquilo que queria. Mas peço-te: não esperes por mim hoje. Porque hoje é mais um daqueles dias que não vai dar, mesmo. Nem ao pôr do sol, nem à noite, não dá que eu sei. E não insistas, porque continuas a saber que detesto que insistam comigo. Mas um dia eu vou. Prometo-te. Vês? Prometi-te, agora um dia tenho mesmo que ir. E não fiques triste, porque mesmo não podendo estar contigo tão de perto eu ainda te quero bem. E ainda sorrio quando me contas coisas boas que sei que te fazem bem. Um dia eu digo-te "café na esplanada de sempre às 19h. É mesmo hoje". E vai ser mesmo ai. Eu prometi-te que o era e tu ainda mereces que eu cumpra as minhas promessas.

23 comentários:

  1. olha claire, e eu digo-te com toda a honestidade, que o teu blog é dos pedacinhos mais bonitos do meu coração

    ResponderEliminar
  2. "Entende, que há coisas que se constroem aos poucos, e que o que nós destruimos e agora está em obras de reconstrução é bastante de nós e ainda leva o seu tempo a reconstruir. " está genial

    ResponderEliminar
  3. tão belo e como te compreendo

    ResponderEliminar
  4. tens uns textos tipo perfeitos, isso sim! um bejinho grande e obrigada ♥

    ResponderEliminar
  5. oh claire e por aqui também!

    ResponderEliminar
  6. obrigada meu bem, eu também espero o mesmo. *
    (apaga o outro x) estava a ler uma mensagem e escrevi torto)

    ResponderEliminar
  7. é não é? adorei aquele excerto e reflecte tudo o que tenho neste momento :) adorei o teu texto fofinha.

    ResponderEliminar
  8. Oh minha querida claire, obrigada meu bem :')
    gosto muito de vir ao teu cantinho, faz-me sorrir (: e preciso muito de sorrir, preciso muito de aprender a ser feliz como antes era. e esta frase que disseste tão bem:'Entende, que há coisas que se constroem aos poucos, e que o que nós destruimos e agora está em obras de reconstrução é bastante de nós e ainda leva o seu tempo a reconstruir.' um dia para mim isso fez sentido, mas com o tempo, por mais que construíssemos, o que se perdeu, perdeu também vida, e por mais que eu quisesse dar cor, as lágrimas apagavam todas as minhas esperanças. gosto muito de ti e disto querida**

    ResponderEliminar
  9. as flores fazem-nos morrer por amor, e é tão bom..

    ResponderEliminar
  10. E não fiques triste, porque mesmo não podendo estar contigo tão de perto eu ainda te quero bem. Queremos sempre, não é verdade?
    Isto está tão sentido, vale sempre a pena ler-te.

    ResponderEliminar
  11. Olá passei no teu blog...no "teu três metros acima do céu" e adorei,a introdução é fantástica quando temos a coragem de elevar algo nosso ou de quem gostamos acima de algo a que não temos acesso...no teu caso o Céu...isso significa que somos "maiores".Tu és maior de certeza,a escrever és... escreves muito bem.Parabéns!

    ResponderEliminar
  12. sim tens razão minha querida (: eu a partir de hoje vou viver com aquilo que tenho, e aquilo que tenho é suficiente para sorrir. o que perdi, acredito que não devia ter sido realmente meu, o destino assim o quis. e vou encontrar-me com os sorrisos que me dão, com os sorrisos deste teu blog, que me enchem a alma. obrigada pelo o apoio, obrigada por teres criado este mundo e partilhá-lo, é bom, é muito bom claire (:**

    ResponderEliminar
  13. é, não é? tem tanto coração nela.

    ResponderEliminar