22 de março de 2012

Quando me fui embora, pediram-me em segredo que cuidasse de ti. Nunca o descobriste porque eu nunca te deixei. Sabia melhor assim. Cuidar de ti todos os dias, dar-te toda a atenção e o apoio que só eu sem tu saberes te podia dar. Não foi difícil. Porque tu, sem o saberes, tornavas a tarefa de cuidar de ti como fácil. Acordar-te com palavras de carinho e adormecer-te com sorrisos recolhidos ao longo do dia tornava-te mais forte. Estar todas as noites disponível, para se tu quisesses, puderes pegar no meu número e marca-lo sem hesitação não era de todo uma obrigação. E fizeste-o ainda algumas vezes. Quando as lágrimas encontravam os teus olhos, tu ligavas-me. E mesmo sem me dizeres e eu sem te estar a ver entendia que tu as estavas a limpar para eu não entender. Porque elas no fundo traduziam aquilo que nós não conseguíamos ser. Mas eu estava lá a ouvir-te, a dizer-te no fim "vai ficar tudo bem" porque eu sabia que o ia ficar, a dizer-te que o tempo nunca deixa de ser bonito mesmo que seja preenchido com lágrimas. E eu nunca desisti de ti. E gostava. Gostava de cuidar de ti. De saber que o teu bem-estar dependia de uma palavra minha de força todas as manhãs, ou de um " vê como conseguiste" com sorrisos todas as noites. E a amizade que ficou entre nós depois de tanto tempo ajudou-me a saber como cuidar de ti. A saber deixar tudo de lado para te por a ti e a tua felicidade à minha frente. Porque tu eras especial, e ambos o sabíamos. E hoje eu contei-te o segredo. Sempre cuidei de ti. E vi-te sorrir, de verdade. E eu bem te disse que não queria agradecimentos porque o fiz com o meu coração, com a minha delicadeza, e todo este cuidar de ti esteve embrulhado em amor, em tanta amizade e ternura. E tu agora se olhares para trás e retrocederes reparas que sempre foi assim, desde aquele dia. Que em qualquer madrugada que me dizias que estavas à minha porta eu descia e abraçava-te, deixando-te ficar assim sem nada dizer. Tu gostavas quando era assim e eu secretamente também. Quando eu não perguntava e percebia que o que me querias dizer se traduzia a um simples "eu nunca vou conseguir deixar-te". Eu dava-te um beijinho na testa e dizia que sim, que tudo é possível quando há alguém do nosso lado a ajudar-nos. E eu estava do teu. Protegi-te tantas e tantas vezes. Estava do teu lado, mesmo quando me fechavas o teu mundo, para ajudar-te. Sempre estive. Sempre cuidei de ti com tudo o que não tinha e com tudo aquilo que já não te podia sequer dar. É que eu prometi-lhes que cuidava de ti e ainda hoje os oiço dizer "cuida sempre dele". E eu digo-te a ti: vou cuidar sempre de ti, porque cuidar de ti é fácil, basta fazê-lo com o coração e preenche-lo apenas da nossa amizade. E isto vai ser sempre assim, prometo.

11 comentários:

  1. E consegue ter dois lados, o bom e o mau

    ResponderEliminar
  2. Muito mas muito bonito mesmo de se ler. Um Beijo :)*

    ResponderEliminar
  3. "a dizer-te que o tempo nunca deixa de ser bonito mesmo que seja preenchido com lágrimas." como foi lindo o que disseste aqui... lindo

    ResponderEliminar
  4. lindo, lindo, lindo. diria perfeito, ou melhor, está perfeito mesmo querida!

    ResponderEliminar
  5. vou seguir, amei completamente o texto, até porque é a minha história escrita por ti. quando o li senti que pertencia ao mundo do qual escreveste!

    ResponderEliminar