26 de março de 2012

Se nós fossemos um banco seriamos um só no jardim das flores azuis. E os apaixonados sentavam-se, em fim, e nós contar-lhes-íamos as nossas histórias com lágrimas de alegria e com o coração repleto de amor. E se fôssemos um banco não queria que morrêssemos, nem que a solidão que faz doer nos tocasse ao de leve. Muito menos queria que esses amores de vento que se sentam por instantes voassem e nos deixassem a envelhecer. Mas promete-me. Que ficas calado, a segurar-me na mão enquanto eu lhes conto que és o meu sonho. E continua, assim, a segurar-me e a agarrar o meu sorriso para não o deixares cair. E eu vou contar-lhes que adormeço no teu ombro a ver o pôr de sol, porque falta sempre pouco. Que adormeço contigo todas as estações. Que podemos sempre ir ao rio conversar ao som do vento, enquanto me cantas as tuas canções. Mas devagarinho para que eu as oiça com o coração. Bem devagar para que elas fiquem por aqui, em mim. Permanece assim, calado mas a sorrir. E eu prometo-te que te escrevo um livro com tudo aquilo que ainda temos para partilhar. Com os beijos que ainda nos falta transbordar, a ternura por descrever e as nossas almas por preencher. Temos tanto ainda por ver e viver. Tantas estrelas por rever. Tantas luas para sorrir. Mas primeiro, vamos contar-lhes que a nossa canção é de amor, que o tempo é tão pouco quando se gasta ao lado de quem se gosta, e que o futuro nos cabe nas mãos. Vamos contar-lhes para que acreditem naquilo que hoje já é esquecido e que o possam viver como nós. Com o coração. Como se amanhã fossem morrer e ainda assim gastassem o resto do tempo assim, a viver de amor.

28 comentários:

  1. Que bonito! Adorei, adorei, adorei, flor

    ResponderEliminar
  2. a ternura com que escreves faz da tua escrita especial, torna-te a ti especial.

    ResponderEliminar
  3. muito obrigada querida claire. grandes textos os teus, são lindos

    ResponderEliminar
  4. Há. Há gente que escreve lindamente <3

    ResponderEliminar
  5. "que o tempo é tão pouco quando se gasta ao lado de quem se gosta" oh claire, sublime

    ResponderEliminar
  6. eu é que agradeço, enches-me a alma

    ResponderEliminar
  7. fiquei apaixonada por este texto

    ResponderEliminar
  8. sempre a encantar, não é? esse banco de jardim só pode contar uma história de sonho.

    ResponderEliminar
  9. este é um amor bonito para ler.

    ResponderEliminar
  10. não tenho palavras para o que este texto me transmitiu :')

    ResponderEliminar
  11. óhhhhhhhhhhhhhhhh tão fofa que és *---*

    ResponderEliminar
  12. escreves sempre tão bem. a tua escrita é tão ... nem sei descrevê-la.

    ResponderEliminar