26 de julho de 2011

Tivemos o nosso compasso de tempo. As estrelas brilharam para nós durante o tempo em que tinham que brilhar. Tivemos mesmo o nosso tempo. E eu não podia ter pedido nada de melhor para nós comparado ao que tivemos, confia em mim. É claro que ainda sou capaz de olhar para trás, e agora que acabou, por vezes ainda desejo voltar a tentar mais uma vez sem sucesso agarrar-te pela mão e levar-te para longe. Confesso que às vezes ainda me vêm à memória como teria sido, se eu tivesse acreditado na ultima chance que me propuseste. Confesso que se hoje ainda tivesse que escolher o melhor de todos os sonhos, eu escolheria aquele em que olhas para mim como se me amasses como um dia te amei. Mas agora neste presente definido, só gostava de ter a oportunidade de te dizer o quanto ainda és importante para mim o quanto a tua felicidade ainda me causa bem, e que quando te via rir era a melhor parte da minha realidade. Mas como vês o tempo passou, e as atitudes têm que ser tomadas a seu tempo, e não em tempos deslocados como tantas vezes as situei. As frases têm que ser ditas em contexto e não fora dele. É verdade que me arrependo de não te ter dito muita coisa, é verdade que gostava de ter feito muito mais do que fiz por ti. Mas não é verdade que me arrependo de ter desistido de tentar acertar o teu tempo e o meu. Limitei-me a aceitar que estávamos fora do nosso tempo. Quando olho para trás, nas páginas passadas do livro da minha vida, sem sombra de dúvidas que é o capitulo da nossa derradeira história de amor que me salta à vista. Não te posso negar que é ele que dá sentido a este presente que se desencadeou nos dias de hoje. Mas agora eu hoje posso afirmar-te que estou bem, e só te tenho que agradecer por isso. Obrigada mesmo por tudo. Obrigada pelo Mundo enorme e fantástico que me mostraste, e obrigado ainda por me teres mostrado todas as armadilhas que lhe são adjacentes. Chama-me parva, mas acredito que hoje e agora, apesar da distancia das nossas almas e da falta de sentido que agora temos, tu ainda consegues olhar por mim e desejar que eu fique bem com quem escolhi. Não superficialmente, mas bem lá no fundo eu vejo que essa é a leitura do teu coração, aquele que em tempos eu soube ler tão bem.

7 comentários:

  1. "Confesso que se hoje ainda tivesse que escolher o melhor de todos os sonhos, eu escolheria aquele em que olhas para mim como se me amasses como um dia te amei." juro que fico pasmada fofinha

    ResponderEliminar
  2. e é assim que deve ser. a sinceridade é a base de tudo.
    obrigada!

    ResponderEliminar
  3. "Não superficialmente, mas bem lá no fundo eu vejo que essa é a leitura do teu coração, aquele que em tempos eu soube ler tão bem." , o teu texto está tão cativante. gostei mesmo*

    ResponderEliminar
  4. "Mas como vês o tempo passou, e as atitudes têm que ser tomadas a seu tempo, e não em tempos deslocados como tantas vezes as situei. As frases têm que ser ditas em contexto e não fora dele" tão verdade. e está lindo lindo

    ResponderEliminar