12 de setembro de 2011

É hoje o dia que tenho que te escrever não é? Há um ano prometi a mim mesma que o fazia mas que o discurso seria diferente. E olha, a vida não me pregou partida nenhuma e fez-me a vontade. Levou a réstia de sentimento que ainda sentia por ti, e deixou-me sem nada teu. E hoje eu sei que posso dizer e esclarecer tudo o que quiser em relação a ti porque não vai doer. Nunca sabemos quem escolher e depois quem escolhemos nunca parece tão certo como nos parecia. As minhas certezas em relação a ti não eram claras, mas não havia dúvidas de que era contigo que queria partilhar a minha vida. A vida tem destas coisas. Permite-nos conviver com pessoas de uma forma intensa, plena e pura - tal como nós. Não posso negar que foi contigo que o meu conhecimento em relação ao amor se aprofundou, porque foi. Mostraste-me os seus cantos e becos e por vezes sentia-me em casa em lugares como esse. Ensinaste-me as cores da vida, a escutar músicas com o coração nas mãos e a entender que algumas melodias são nada mais nada menos, que o reflexo das nossas vidas. Fizeste-me andar descalça na chuva, sair de casa a meio da madrugada só para te pedir que não partisses, mas com tudo isso ensinaste-me a viver um dia após o outro. Sempre tiveste medo do amor e da rede de compromissos de te entregar a alguém. E ainda hoje não sei porque é que comigo deixaste isso de lado e aventuraste-te por caminhos que não conhecias. Ainda assim eu prometi-te da-los a conhecer-te, a cuidar de ti e amar-te todos os dias. Estive sempre lá para ti, apesar de tu muitas das vezes estares de costas viradas. Mas eu apaixonei-me por ti e por essa tua alma de pássaro, e foi assim que aprendi a prender-te a mim e a deixar-te voar, quando precisavas. Mas um dia cansei-me, sabes? Cansei-me do vai e vem de despedidas e reencontros, do vai e vem de sensações que me provocavas. E ai foi a minha vez de voar e partir, para bem longe de ti. É que sempre me disseram que não interessa quem deu mais ou menos, só quem ficou cá para dar. E tu não quiseste ficar, muito menos continuar a dar-me o teu amor e fugiste. Embora tenhas voado à minha procura e voltado a encontrar-me implorando-me para que voltássemos a voar juntos, eu não quis. Dei-te com a porta do meu coração na cara e mostrei-te aquilo que mais me doeu no par de anos que tivemos juntos. Não quis voltar a entregar-te o meu coração porque sabia que o irias partir de novo. E sabes quanto tempo leva para que ele se reconstitua? Muito mais do que sempre julgaste. E digo-te agora do fundo do meu coração que o melhor que fiz foi desprender-me de ti. E é por isso que hoje, dois anos depois quero dar-te a conhecer a força que fui conquistando ao longo do tempo. Quero dizer-te que estou bem e que encontrei alguém fantástico, e que com ele construí um amor que a meu ver, é indestrutível. Quero que acredites sempre. Que acredites em ti e todas as verdades que te rodeiam. Espero que cada estrada te leve onde queres ir, espero que algum dia em que tenhas que fazer uma escolha que a faças com o coração e que escolhas tudo em função da tua felicidade. Espero que se uma porta se fechar arranjes sempre forma de encontrar uma janela. Espero que mostres o calor do teu sorriso quando o frio se sentir lá fora. Desejo-te, do fundo do meu coração em memória do meu amor por ti, que sejas feliz, que consigas tudo o que queres, e que não desistas de lutar daquilo que realmente desejas, como fizeste comigo. Não tenhas medo que os sonhos e os teus ideais sejam maiores que tu, porque dentro de ti existe uma força, que eu conheci, que te ajudará a ultrapassar a sua grandeza. Espero que ganhes um dom, aquele que eu fui aprendendo contigo ao longo deste tempo - o perdão. Entende que as segundas oportunidades existem e que as pessoas erram mas têm direito a ser perdoadas. Tal como tu tiveste tantas vezes. E assim espero que faças tudo isto por alguém, como um dia eu fiz em teu nome. Eu, que tive que suportar todos os teus medos, enquanto procuravas conforto em outros braços, que não os meus. Desejo-te o melhor de todos os mundos, que já lá vai o tempo que tomei consciência, que não será comigo. Não me odeies, não me desejes mal, apenas quero que compreendas que a dor se tornou intensa muito mais frágil do que sempre fui. Guardei dentro do interior da minha alma, exactamente no local onde se refugiou o meu coração, a triste mas bela lembrança de um olhar de estrelas e um quente sorriso, que um dia me lançaste fazendo-me acreditar neste amor que imaginei dentro de ti. Fica aqui um eterno, sereno beijo na testa, em memória de todos aqueles que partilhamos. Mas olha, tu sabes que deste um sabor especial à minha vida, não sabes? Obrigada por isso, e por tudo mais. 

31 comentários:

  1. Encontrei o teu blog por mero acaso e desde esse dia que cá venho quase todos os dias espreitar o que escreves mas nunca te deixei um comentario porque nao sabia que tinhas a opcçao de comentar em anónimo, visto que eu nao tenho blog.
    este texto é de longe dos melhores que aqui publicaste, porque nota-se mesmo que foi escrito com sentimento e que esse rapaz à sua maneira te marcou para toda a vida. um beijinho beatriz, e que continues com isto para a frente**

    ResponderEliminar
  2. obrigado :) e sim tens razão no que disseste, marcou-me mesmo muito mas creio que esta tenha sido das ultimas vezes que escrevo para ele.

    ResponderEliminar
  3. de nada meu doce * estás bem? :c

    ResponderEliminar
  4. Ainda bem que gostas-te, adorei o teu tem tanto sentimento *-*
    Segues ?(:

    ResponderEliminar
  5. Foi a filha do Raul Solnado que disse :)

    ResponderEliminar
  6. sabes, este texto tocou-me mesmo. todas nós já passámos por experiências amorosas, se é que assim podemos chamar, menos boas e eu revi-me nas tuas palavras. adorei imenso, está tão simples e ao mesmo tempo tão complexo. mas o melhor de tudo é que foste forte e ultrapassaste ao ponto de hoje estares feliz ao lado de alguém. bom exemplo, mais uma vez gostei muito mesmo!

    ResponderEliminar
  7. tão lindo bea. e olha, posso contar-te um segredo? um segredo bem docinho que quero partilhar contigo..: o meu inicio de escrita foi passado com a mafalda veiga. eu escrevi a ouvi-la e sempre me inspirou muito, acreditas? e ler isto e ouvi-la, fez-me bem. muito

    ResponderEliminar
  8. oh princesa, as tuas palavras. sabem-me bem sabes? e perco aos pouco assim o medo. obrigada <3

    ResponderEliminar
  9. chorei, será preciso dizer mais alguma coisa ?
    sigo, sem dúvida alguma*
    ps: adoro a música.

    ResponderEliminar
  10. fofinha, queria seguir o teu blog mas nao encontro o botao para carregar... onde é?

    ResponderEliminar
  11. aii, o teu blog é tão lindo, e eu sigo-o !
    uma pessoa emociona-se muito facilmente, e a música ajuda a isso.. contínua assim, tens muito jeito para a escrita ;o

    ResponderEliminar
  12. de nada querida
    sim, chamo-me beatriz (: smoozie é uma alcunha ^^

    ResponderEliminar
  13. oh, obrigada. bem, vou ter de sair agora e nao vou poder ler este teu texto, mas amanhã cá estarei para o ler :') beijinho e boa noite!

    ResponderEliminar
  14. fiquei sem palavras, e absolutamente tocada por este texto - tão, tão sentido, tão docemente melancólico, tão autêntico.

    ResponderEliminar
  15. Podes crer Beatriz, ela é única!

    ResponderEliminar
  16. fogo, tens imensa sorte..
    mas as minhas viagens de sonho, era mesmo barcelona e índia.. mas ultimamente new york, tem estado sempre no meu pensamento ;o

    ResponderEliminar
  17. muito obrigada <3
    adorei, está tão lindo o teu texto!

    ResponderEliminar
  18. pois, o meu pai tmb já foi a barcelona e diz que a parte antiga é mesmo linda ;o

    ResponderEliminar
  19. e vais continuar a estar:) com menos frequência por a inspiração não estar do meu lado mas não irei apagar com é óbvio!

    ResponderEliminar
  20. ando viciada no teu blog, adoro ;o

    ResponderEliminar