1 de setembro de 2011

Meu amor, primeiramente perdoa-me se ainda não te sei chamar por outro nome se não a este que com o tempo me fui habituando e tornando tão teu. Volto a escrever-te hoje este tipo de cartas porque pensei em ti. Só em ti. De uma maneira diferente, entendes? Não é normal eu lembrar-me tanto de ti como aconteceu hoje, por isso quero contar-te as sensações estranhas que me percorreram o corpo sempre que passava nas ruas de Lisboa e cada canto me fazia sonhar contigo. Sabes, lembrei-me do tempo em que tu tinhas forças nas mãos para me fazeres percorrer um caminho atrás de ti. É que ultimamente não as tens tido e eu no fundo sinto a falta delas. Aliás não as tens querido encontrar que é diferente, e isso ainda é o que consegue magoar mais. Lembrei-me dos abraços que ali demos e do calor que eu sentia sempre que insistias em envolver-me nos teus braços. O tempo arrefeceu e eu senti tanto a falta disso. Não sei como é que o tempo de tirou de mim. Como é que de um dia para o outro tu desapareceste num estalar de dedos e eu não tive a possibilidade de te puxar para mim. Acredita que se tivesse essa oportunidade a agarraria com a minha própria vida, e tu não terias ido embora como foste. Não queria lembrar-me tanto de ti como aconteceu hoje, não queria, mas faz-me tanta falta ouvir-te falar, ouvir-te contar as tuas novidades e rirmos juntos delas. Eu gostava realmente da tua maneira genuína de falar, de te expressares mais com os braços do que com as próprias palavras. Acredita que me faz falta saber que tu estás aqui para mim e que não sou eu a única a estar da mesma forma para ti. Hoje até respirei fundo muitas mais vezes do que o habitual. Não sei se ainda te consegues recordar, mas tu costumavas dizer que quando algo não está bem uma breve respiração fundo por segundos faz aliviar o vazio que temos cá dentro. Lembrei-me muito dessas tuas palavras sempre que a tua ausência me palpitava no peito. Mas lamento dizer-te que não resultou em muito, meu amor. O vazio não diminuiu, e a ti não te voltei sequer a sentir perto

16 comentários:

  1. obrigada beatriz, és uma querida
    e ADORO tanto o nome do teu blog

    ResponderEliminar
  2. sem dúvida que muda uma pessoa! obrigada querida e adorei este post. lindo!

    ResponderEliminar
  3. lindo! adoro a forma como te expressas :')

    ResponderEliminar
  4. apesar do que levou a escrever este texto não ser nada feliz, o texto está lindo :')

    ResponderEliminar
  5. uau, deste-me vontade de escrever! está tão bonito.

    ResponderEliminar
  6. O texto está mesmo lindo, adorei.

    ResponderEliminar
  7. gosto tanto,tanto. o teu blog é um mimo todos os dias. e essa fotografia é da tua autoria?

    ResponderEliminar
  8. que aperto nestas palavras e, ainda assim, que belas elas são.

    ResponderEliminar