4 de setembro de 2011

No outro dia pus-me a pensar no que é que mais gostava em nós. Lembrei-me do nosso hábito de adormecermos um ao lado do outro a ouvir Mafalda Veiga. Lembrei-me também daquele ritual que eu te ensinei dos livros; de te pedir um número de uma página e outro de um parágrafo e ler-te a citação escolhida. Lembrei-me até da sensação já um pouco esquecida de te ouvir a ler-me poesia. Gosto das mais pequenas e simples coisas em nós mas aquilo que me saltou mais à mente e me fez sorrir em demasia foi o nosso segredo das cartas. Ninguém sabe deste nosso contacto tão à antiga. Ninguém sabe que eu reservo noites na janela só para te poder escrever com toda a calma que a luz da lua me transmite. Mas hoje eu quero contar-te uma pequenina coisa que nunca tive oportunidade. Um dia, num dos meus passeios pelo jardim das flores eu ia deixando escapar este nosso segredo. Quis partilhar com alguém a felicidade que é chegar a casa, dirigir-me à caixa de correio e ver o envelope do correio com o teu nome lá. Subir as escadas, deitar-me na cama e ler as palavras que me escreves. Quis contar-lhe que é tão bom lermos quem amamos, que as palavras por mais simples que sejam ganham sempre um sentido tão especial. Quis dizer-lhe ainda que sempre que escrevo para ti há algo que sai de mim e ganha vida. Que as palavras voam do meu coração directamente para o papel e que enquanto o faço o sorriso dos meus lábios permanece sem ausências. Mas calei-me. Alias, nem fui eu, foi o coração que me calou e não me deixou contar este nosso segredo. Se bem que eu  acho que ninguém entenderia a magia que entregamos às palavras. É que são de um encanto tão natural, tão mágico e tão nosso que ninguém as compreenderia. Vê lá que no final desse dia até sorri por me ter calado e por ter continuado a manter este nosso segredo só nosso. Não iria gostar nada da ideia de partilha-lo com o mundo. E hoje por coincidência é dia de ir ao encontro da janela. É dia de falar de amor, de ti e de nós. E olha, é tão mas tão mais fácil falar de amor quando o sentimos na pele.

15 comentários:

  1. oh beatriz, este texto deu-me vontade de escrever, vontade de viver e de ser amada. que estranho, mas teve poder em mim
    e obrigada, és um doce

    ResponderEliminar
  2. sabe mesmo querida.
    oh, e que texto lindo

    ResponderEliminar
  3. mais um dos teus textos que sabe tão tão bem ler

    ResponderEliminar
  4. um texto mais doce que as coisas doces, amei completamente, vou seguir*

    ResponderEliminar
  5. vês como gosto tanto dos teus textos? são doces <3

    ResponderEliminar
  6. comparado ao teu, nada demais <3

    ResponderEliminar
  7. Nem tenho palavras! Tá tão cutchie ^^
    Adorei, que lindooo mesmo! :)
    Passarei por cá mais vezes*

    ResponderEliminar
  8. obrigada querida :)
    adorei este texto *

    ResponderEliminar
  9. oh que querida muito obrigada :D

    ResponderEliminar
  10. está lindo!
    adoro a maneira como escreves e adoro igualmente o nome do teu blog. vou seguir-te!

    ResponderEliminar