4 de março de 2012

Chegaste ainda não fizeram dez minutos e eu sinto que tenho que agarrar o tempo bem na minha mão, para te prender mais aqui, para mim. Hoje vieste mais cedo que o habitual, mas não faz mal amor porque para mim tanto me dá que sejam 3 ou ainda nem seja 2 porque eu até gosto de mudar. Quando não é radical, e tu estás aqui do meu lado para me acompanhar. Hoje se calhar apetecia-me ficar por aqui. Isto porque não temos de estar sempre lá fora para nos preenchermos um ao outro. Podemos ficar assim. Podes descalçar-te e deixar os sapatos ao pé da porta e vir aqui deitar-te comigo no sofá ao pé da lareira. Podes dar-te a amor e abraçar-me sem ser preciso sufocar. Porque eu gosto assim, ao de leve mas que seja fundo, que saiba a nós. Acabaste de me dizer que te apetece fazer algo diferente, e eu rio-me porque sei exactamente que estás a pensar em alguma coisa. E eu gosto disso em ti. De querer ser sempre mais do que foste no dia anterior, mais e melhor. Estás a tocar-me na mão e pedir-me que vá atrás de ti de olhos fechados. Eu dou-ta e agarro com a outra o teu ombro, até sentir os pés gelados e um vento a tocar-me na pele. Estamos na varanda grande da sala e tu pedes-me que me deite no teu colo. A lua hoje está bonita. Eu acho que ela está sempre, quer esteja cheia ou de outra forma qualquer, porque nos ilumina. E estar aqui assim deitada nas tuas pernas e ter a lua por cima de nós, já é bonito por si só. Vais tocando com as tuas mãos quentes ao longo do meu corpo e eu sinto que já aqui estive antes. Não agora, nesta noite. Mas noutro tempo. Sim, estive. E olha, não sei se viste mas acabou de passar uma estrela. E eu sempre as quis ver, estando do teu lado. Podemos continuar assim o resto da noite, porque eu não me importo nada. E não precisas de te cansar a falar porque hoje se calhar não precisas de te expressar, para eu te perceber. Ás vezes é facil entender-te. Sei o que queres dizer quando me olhas nos olhos e me tocas na mão esquerda com os teus dedos e os entrelaças nos meus. Sei que estás a sorrir quando olhas na direcção oposta da minha, porque eu gosto de te apanhar a faze-lo. Tu não dás por isso, mas eu sorrio contigo. E eu acho que os nossos sorrisos com o tempo também se tem vindo a apaixonar, tal como nós. Não sei se é possivel, mas eu quero acreditar que connosco o é. Já passaram horas, e vê lá tu que nem demos por isso. O frio já não existe mais e a lua mudou de posição. Vamos faze-lo, como nas noites de verão amor. Vou levantar o dedo e desenhar algo unindo as estrelas, e tu vais adivinhar o que é. Sou tão previsivel que desenho sempre o mesmo, eu sei, mas o que eu não quero é que percamos este hábito, nem que para isso seja preciso desenhar mais mil e quinhentos corações, até ao resto das nossas vidas. E podes crer. Eu vou-me sempre lembrar disto porque é nosso e fomos nós que o criamos em noites sem nada dizer. E sem darmos por isso o sol já deve estar quase a nascer e as horas nem sequer passaram lentamente como deveriam. Mas eu agarrei-o, ao tempo. Prendi-o a mim tal como a ti e ele levou-nos a tocar na lua, como se o pudessemos. Fizemo-lo, esta noite porque estavamos a três metros acima da lua. E agora temos que nos apressar, sem fazer barulho e descer  rapidamnete as escadas para eu te levar á mota que está  sempre estacionada no mesmo sítio. E agora é a altura em que te deixo um beijo no bolso do teu casaco para te levar bem até casa. Para ficar sempre contigo, porque tal como ele, também eu quero ficar. Para sempre.

31 comentários:

  1. Oh, eu não consigo deixar de adorar :)

    ResponderEliminar
  2. é verdade, mas quando eles aparecem é horrível.. ultimamente tem sido sempre assim

    ResponderEliminar
  3. todas as palavras perfeitas que se entrelaçam em forma de coração. "E eu acho que os nossos sorrisos com o tempo também se tem vindo a apaixonar, tal como nós."

    ResponderEliminar
  4. não precisas de agradecer, doce. oh, ainda bem:')

    ResponderEliminar
  5. isso era o nosso tesouro que se perdeu. deve ser devido à alteração da url, não sei. mas a verdade é que me tenho sentido um pouco sozinha na minha casa, nunca mais bateste à janela para eu te ver cantar, e eu estava tão habituada a ser chamada por ti.

    ResponderEliminar
  6. "porque eu gosto assim, ao de leve mas que seja fundo, que saiba a nós" deixa-me dizer-te que ficou tão tão bonito

    ResponderEliminar
  7. espero que sim pequena claire, será uma homenagem ao nosso antigo e caloroso aconcheg.

    ResponderEliminar
  8. "Mas eu agarrei-o, ao tempo."
    a-d-o-r-e-i

    (sigo*)

    ResponderEliminar
  9. Que texto lindo, é tão bom quando damos por nós a agarrar cada minuto, a sorrir em cada segundo. Queremos agarrar sempre mais e mais e isso faz-nos tão felizes, faz de nós pessoas melhores. Um Beijo :)*

    ResponderEliminar
  10. sinto-me muito melhor hoje, anjinho

    ResponderEliminar
  11. Com o coração a transbordar de amor, sim <3

    ResponderEliminar
  12. talvez seja só por estar cansada.
    está lindo como sempre:))

    ResponderEliminar
  13. de nada querida, eu também. (:

    ResponderEliminar
  14. estou um pouco inclinada para jornalismo mas não sei se a minha média será suficiente para tal..

    ResponderEliminar
  15. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  16. pois, também já ponderei isso.

    ResponderEliminar
  17. está lindo, fantástico. como todos os teus textos!

    ResponderEliminar
  18. és linda e eu gosto muito disto aqui

    ResponderEliminar