9 de setembro de 2011

Com inocência perguntaste-me porque é que não conseguias ver a lua. Não pude deixar de me rir, como faço todas as noites contigo. Não te respondi e tu voltaste a insistir comigo, mas sem ouvires qualquer resposta da minha parte mudaste de assunto. As palavras faltam-me quando as que tenho de mais verdadeiras são ditas, por ti e para ti. Quando te viro as costas repentinamente e tu ouves o som das minhas lágrimas, abraças-me e pedes-me para que pare. Dizes-me que não gostas nada de me ver assim, e que o meu sorriso faz-me ficar muito mais bonita. Dizes que me amas e que és capaz de dar tudo por mim. Confortas-me, e eu acredito em ti. Já me magoaste sem intenção, mas a tua sinceridade e insistência para comigo marca toda a diferença. Não fugiste, não te escondeste. Mostras-te arrependimento e eu na primeira oportunidade que tive beijei-te ao de leve os olhos para que não chorasses mais ao pé de mim. Prefiro que me magoem a mim do que seja eu a magoar os outros. Sorris deste meu traço, e dizes-me que sou talvez das melhores pessoas que tu conheces. Tão sublime, tão simples e tão encantadora. São estas as palavras que saem da tua boca, e fazem-me sentir que o meu lugar é contigo. A lua é clara, sabias? Nestes dias que não a consegues ver podes sempre imagina-la, como eu faço. Ou então eu posso desenha-la para ti, como tu para mim. Aqueles nossos desenhos sentidos que demoram horas a fazer, em que esperamos pacientemente um pelo o outro e acabamos por sorrir no final com os resultados. Quando estou contigo assim, nesta forma tão genuína, não penso no que me podes dar. E quando falo contigo não penso sequer no quanto me podes elogiar. Penso sempre no quanto o teu sorriso me enche a alma e o coração e dá brilho e cor aos meus dias. É por isso que um dia eu te quero mostrar a lua, e dizer-te que gostava de te ter respondido que naquela noite não a estavas a ver porque o brilho dela estava todo em ti.

24 comentários:

  1. oh que doçura de texto :)
    muito obrigada pelo comentário que me deixaste. tenho pena daquele cantinho ter os dias contados, mas se um dia cá voltar. dir-te-ei, pois terei todo o prazer em que me acompanhes :)
    um enorme beijinho*

    ResponderEliminar
  2. Gostei muito do teu blog e sigo (:

    ResponderEliminar
  3. digo-te o mesmo, sabes. isto é também um refugio para mim

    ResponderEliminar
  4. obrigada querida. gostei muito deste post (:

    ResponderEliminar
  5. Obrigada:D
    Confesso que adoro o título do teu blog.
    Faz-me lembrar um filme italiano. Do mesmo escritor que 'Perdona si te llamo amor' :D

    ResponderEliminar
  6. o que eu escrevo vem, sobretudo, de cá de dentro: do coração e da alma. embora penso que ultimamente já não escrevia como outrora escrevi.. a inspiração já não é o que foi :/
    um enorme beijinho*

    ResponderEliminar
  7. concordo inteiramente contigo querida. acho que não se deve colocar no lugar de ninguém porque cada um sabe o que dói. obrigada eu pelas tuas palavras, sim? <3

    ResponderEliminar
  8. obrigada querida. adoro o blog.

    ResponderEliminar
  9. gostei imenso do teu :)
    obrigada!

    ResponderEliminar
  10. Espero que tenhas entendido o comentário. Ah e sabes que gosto muito do que leio aqui. Adorei *

    ResponderEliminar
  11. ah, ainda bem fofinha. oh. eu estou sempre a mudar o blog constantemente e não sei qual será o dia em que vou aguentar estar nele tanto tempo com o mesmo fundo. nunca me entendi acerca disso e depois nunca acho nada bonito, ao contrario de vocês que se fartam dizer que esta lindo, etc, etc.

    <3

    ResponderEliminar
  12. A parte final está tão delicada, repleta de amor.

    ResponderEliminar
  13. ainda bem querida. realmente também sempre gostei de ver os blogs simples mesmo que as vezes o meu nao fosse*

    ResponderEliminar
  14. adorei, adorei! cheio de emoção. estou a seguir-te :)

    ResponderEliminar
  15. ai que perfeito! muito bem escrito, contagiaste-me e portanto vou seguir! continua o bom trabalho :)

    ResponderEliminar